Por quê a meditação é importante no dia-a-dia?

0
17

Por quê a meditação é importante no dia-a-dia?


Meditação significa: Esvaziar a mente. Todos nós somos capazes de meditar, em qualquer local, em qualquer horário. Diferente do que muitas pessoas pensam, meditar não significa refletir. O conhecimento oriental nos ensina que meditar é sinônimo de silêncio, mente vazia e busca pela sabedoria interior.
Quanto mais a gente pensa ou fala, mais ansiedade temos e isso causa um bloqueio no nosso autoconhecimento. É por meio do silêncio, durante a meditação, que nos conectamos com o universo.
Recomenda-se meditar duas vezes ao dia, durante 20 minutos, em um local onde não sejamos interrompidos. Indica-se que esteja em contato direto com o chão – grande dispensador de energia – e respirando espaçadamente enchendo bem os pulmões de ar.
Já vemos em filmes, novelas, canais do YouTube e redes sociais pessoas meditando. Parece fácil. Que é só sentar ali na posição e relaxar. Não é bem assim. É muito difícil meditar logo de primeira. Demora um tempo até dominar a arte de esvaziar a mente por completo ao mesmo tempo em que temos a consciência dos nossos sentidos – visão, audição, olfato, paladar, tato.
Com determinação e força de vontade você chega lá. 
Confira abaixo o passo-a-passo para iniciantes nesta arte milenar desfrutarem da meditação e colocarem-na entre as atividades desenvolvidas no dia-a-dia.


Como meditar?


Usar vela aromática ou incenso cria uma atmosfera agradável. Existe uma almofada chamada zafu. Ela é circular e permite que você mantenha a posição sem sentir dor ou desconforto ao ficar longos períodos com as pernas cruzadas. Outra dica é usar roupas confortáveis, soltas e que permitem a transpiração.
Pode ser difícil manter a concentração ao iniciar. Por isso é ideal meditar quando estiver relaxado, como ao acordar ou antes de dormir. Não adianta, por exemplo, querer meditar como obrigação, de forma rápida, cronometrada, para não se atrasar para o trabalho. Dessa forma não vai funcionar.
É bom manter um alarme perto para que você não fique mais do que o tempo suficiente. É bom colocar um mantra no toque. Assim, você não será arrancado bruscamente do estado de espírito em que está.
Você precisa estar com a postura ereta para concentrar-se na respiração, na inspiração e expiração. Inclinar a cabeça como se estivesse olhando para baixo ajuda a abrir o peito. A boca precisa estar fechada para não prejudicar a respiração. As mãos podem ficar soltas, no colo, unidas como uma “reza”, enfim, precisam estar de uma forma que você não se sinta desconfortável. Afinal, ficará na mesma posição durante todo o tempo da meditação.
O “pulo do gato” na hora de meditar é concentrar-se na sua respiração. Ao invés de tentar não pensar é só prestar total atenção no ato que está fazendo. Assim, automaticamente todos os outros pensamentos sobre o mundo exterior desaparecem.
Tipos de meditação.

Meditação transcendental: Da tradição védica, ela permite atingir níveis refinados da mente até chegar à fonte dos pensamentos através de um mantra individual e sigiloso. Recomenda-se duas meditações diárias de vinte minutos cada mantendo um intervalo de 5 a 8 horas entre elas.
Raja ioga: Nela compreende-se que é difícil calar uma mente agitada. Por isso, ela trabalha com o pensamento positivo direcionado para um foco pré-determinado.


Kundalini ioga: Antes de meditar são realizados exercícios de aquecimento e de posturas corporais estáticas e dinâmicas. Depois são entoados mantras e realizados exercícios de respiração. Essa prática beneficia os órgãos e as glândulas eliminando toxinas.
Vipassana: Seu foco não é a respiração e sim a postura, as sensações do corpo e os estados mentais.
Dança circular sagrada: esse conjunto de danças folclóricas consiste na interação entre os indivíduos, em roda, permitindo que diferentes energias se encontrem. Assim, ao se encontrar com os outros é possível encontrar a si mesmo.


Hare krishna: Seguidores do hinduísmo começam a meditar às 5h da manhã. Em seguida entoam durante horas 1728 vezes o Mahamantra (“Hare Krishna, Hare Krishna, Krishna Krishna, Hare Hare, Hare Rama, Hare Rama, Rama Rama, Hare Hare”). Ele é entoado com a ajuda do japa mala, com 108 contas.


Ho’oponopono: De origem havaiana, a expressão significa “corrigir um erro”. Essa prática purifica o corpo e ajuda a apagar memórias e sentimentos ruins. A repetição da técnica muda o seu estado de espírito do indivíduo tornando-o mais positivo. Tudo que ocorre a sua volta envolve a sua participação, já que você é responsável pelo que pensa e sente. O ho’oponopono busca a cura por meio do perdão a si mesmo. A versão tradicional do ho’oponopono é composta por quatro frases principais: sinto muito; me perdoe; eu te amo; sou grato.

Artigo anteriorAyahuasca Medicina Sagrada
Próximo artigoPreto Velho, quem são estas entidades?
Aline Ferrão é Espiritualista sacerdote de Umbanda, dirigente do C.E.U Luzes de Aruanda em Gravataí/RS iniciada na cultura de Matriz Africana a qual representa como Yalorixá respeitando as práticas Ancestrais através dos Orixás. Domina a leitura de oráculos como Búzios e Baralho Cigano, direcionando as terapêuticas com o auxílio destas ferramentas. Conhecedora das Ervas e sua utilização no bem-estar de cada ser, assim como estudou e pratica as Técnicas de Reiki Usui, Reiki Xamânico juntamente com Apometria Cristica e Floral de Bach. Facilitadora nas terapias envolvendo a cura da Alma, com a utilização da Medicina Sagrada Ayahuasca. Médium ativa desde a infância, tem como propósito direcionar o seu trabalho dentro da espiritualidade expandindo seu conhecimento para o acolhimento de quem sentir o chamado espiritual. Em sua formação social é graduada em Pedagogia, tendo como sua área de interesse o desenvolvimento Humano.