O que é o Candomblé?

0
14

Você conhece o Candomblé ?

A religião de matriz africana Candomblé foi introduzida no Brasil há séculos atrás pela população que foi escravizada pelos portugueses durante o período da colonização. Foi a partir de seus dogmas que foi criada outra:  a Umbanda (uma religião denominada como afro-brasileira).

A palavra “candomblé” significa “dança com atabaques” e é utilizada para nomear a crença que cultua os orixás por meio de danças, cantos e oferendas de frutas, vegetais, minerais, objetos e, às vezes, sacrifício de animais.

Essa religião possui características que a diferenciam das outras, como por exemplo:

  • Possui uma hierarquia forte, e seus seguidores levam cerca de sete anos para concluir a iniciação;
  • Tem mais de 5 mil anos de existência;
  • Os rituais são praticados em casas, roças ou terreiros, de linhagem matriarcal, patriarcal ou mista;
  • Os participantes devem usar trajes específicos com as cores e guias do seu orixá;
  • Há incorporação de entidades que dão benção (axé) aos praticantes;
  • Cada ritual pode reunir muitas pessoas, dependendo da capacidade da casa que realiza as obrigações e festas;
  • Para ser pai (babalorixá) e mãe (iyalorixá) de santo é preciso viver uma vida com algumas restrições alimentares, de vestimentas e de atitudes. Equivale ao sacerdócio nas religiões cristãs;
  • Somente as mães de santo dão conselhos e consultas por meio de búzios;
  • As casas de Candomblé cobram pelos trabalhos realizados como forma de sustento;
  • A sucessão desses líderes espirituais é hereditária e, quando ela não ocorre, geralmente o terreiro/casa é fechado.

História do Candomblé brasileiro

Candomblé: o que é, história, orixás, rituais e Umbanda - Toda Matéria

O Candomblé nagô

O  oriundo das tradições Ioruba, Nagô e Jeje teve origem nos territórios da Nigéria e de Benin.

Quando ele chegou ao Brasil, foi mesclado aos rituais dos negros de origem bantu (aqueles que vieram de países como Congo, Angola e Moçambique) que já estavam estabelecidos aqui.

Como houve o desembarque de africanos de diversas partes do continente, o Candomblé brasileiro acabou sendo um sincretismo de diversos práticas religiosas e Orixás cada um deles representa uma força da natureza, e tem a equivalência dos santos para os católicos.

Eles possuem virtudes e defeitos e expressam a liberdade e o prazer de viver.

Entre o final do século XIX e o início do século XX houve forte repressão as manifestações religiosas não cristãs. Para se ter uma ideia, foi incluído no Código Penal Brasileiro na época para penalidades para o que foi denominado como curandeirismo e charlatanismo.

O objetivo era tentar impedir a atuação de pais e mães de santo.

Para escapar de perseguições religiosas os praticantes destas religiões utilizavam imagens de Santos Católicos em seus rituais.

Isso explica, por exemplo porque a imagem de São Jorge nesta religião representando um Orixá é a mesma do santo das paróquias.

Hoje é comum ver as casas utilizarem as estátuas africanas de Orixás como forma de retomar e valorizar a origem da religião.

A pratica religiosa de matriz africana começou a se popularizar no país na Bahia entre os séculos XVIII e XX. Hoje cerca de 1,5% dos brasileiros são praticantes do Candomblé.

Isso não evita que o preconceito e intolerância religiosa acabem. Muitas pessoas acham que Umbanda e Candomblé são iguais e se referem a elas como “macumba”.

Outras pessoas acham que elas fazem parte da doutrina espírita oque não é a verdade!

Para preservar a herança cultural africana foi criada a Lei Federal 6292, em 15 de dezembro de 1975, permitindo  então que alguns terreiros de candomblé se tornassem patrimônio material ou imaterial passível de tombamento, ou destruição ou até apedrejamentos.

A filosofia e seus ritos

História das religiões afro-brasileiras na Bahia

O Candomblé enxerga o mundo como ele realmente é. Não existe a divisão excludente entre o bem e o mal, que vemos principalmente em religiões cristãs.

As relações entre seus praticantes são baseadas em padrões éticos e de respeito mútuo.

Priorizando uma organização comunitária, a religião permitiu (e ainda permite) aos africanos e seus descentes refazerem os laços afetivos e as tradições que foram rompidas quando eles foram forçados a vir para o Brasil para serem escravizados.

Para participar de um ritual é necessário que se tenha conhecimento sobre os Orixás.

Para isso a pessoa é acomodada em um cômodo da casa (runcó) onde permanece durante 21 dias, em retiro, vestida com roupas brancas, tendo contato apenas com o zelador da casa. Após passar pelo processo de saída ela pode frequentar o ritual.

Os rituais iniciam com uma dança para despachar o Exu (o Orixá mais importante que guarda as aldeias, as cidades, as casas, e é o responsável pela comunicação, paciência, ordem e disciplina).

Quando o tambor e os atabaques começam a ser tocados, os filhos de santo começam a invocar seus orixás para a incorporação por meio de cantos (que são orações na língua africana específicas para cada orixá).

Os rituais duram mais de 2 horas.

Após a incorporação, são realizadas oferendas e consultas espirituais utilizando o jogo de búzios.

Ele funciona como um oráculo para previsões e orientações.

Gostou do artigo?

curte aqui, comente, e compartilhe em sua redes sociais!

Muita paz luz.

Até o próximo artigo!

Axé!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui