Deus existe? Por Que Deus Existe – Tem um propósito pra isso?

0
10

Deus existe? Você acredita em Deus?

Dada a complexidade desta questão, parece apropriado dar um exemplo para nos colocarmos

Vamos imaginar que estamos na Inglaterra. O Sr. Smith é um famoso lojista, ele tem uma mercearia onde vende tudo o que você pode comer: queijos, presuntos, tomates, batatas etc. Graças a essas vendas, o Sr. Smith ganhou muito dinheiro, tem uma bela casa e é cada vez mais relevante na sociedade inglesa.

Qual é a coisa mais importante para o Sr. Smith? Bem, saiba o peso exato de tudo que você vai vender. Se ele está errado sobre os pesos, ele está arruinado. Então tudo para ele é baseado no peso. Sem ser capaz de tomar as medidas de peso, tanto o que você compra e o que você vende. negócios não existem. Até agora está claro o perfil do Sr. Smith, para ele tudo pode, e deve, lamentar,

Um dia o Sr. Smith lhe diz: Quantos quilos há de Londres a Paris? –

Evidentemente você vai dizer: – Você quer dizer milhas, ao que o Sr. Smith responde, – não, não, quero dizer quilos, ou gramas, a vida me ensinou que tudo, tudo pode ser pesado. Eu posso pesar o queijo que eu vendo, as moedas de ouro que eu tenho, as roupas que eu possuo etc, ou seja, tudo tem seu reflexo em quilos, ou em gramas. Então, já que você é muito inteligente, repito a pergunta: “Quantos quilos há de Londres a Paris?” –

Você certamente insistirá em dizer a ele que as distâncias não podem ser medidas em gramas, mas o sr. Smith é muito teimoso e insiste em sua pergunta: – Quantos quilos existem daqui até Paris?

E você não responde claramente. Mas o Sr. Smith quer saber e decide dar um prêmio de 1 milhão de libras para quem for capaz de lhe dizer quantos quilos há de Londres a Paris.

É assim que o Sr. Respostas para Todos aparece e você vem com o seguinte:

– Quanto a ir de Londres para Paris você tem que ir para Dover, na costa, e é normal parar para comer um bife e batatas, lá você vai ganhar meio quilo. Se então na França ele comer algo novamente ele vai ganhar mais meio quilo e com o que ele bebe no total ele terá ganho um quilo de duzentos gramas –

Esta explicação convence o Sr. Smith de que ele finalmente sabe quantos quilos há de Londres a Paris. Mas como o prêmio é importante, outro cavalheiro aparece, a quem chamaremos o Sr. Responde-para-Todos-Dois que dirá:

– Não, você não tem que ir para Dover, apenas pegar o avião que é mais rápido. Como você vai comer menos então, na verdade a comida no avião é tão ruim que você mal vai comer, no máximo você vai ganhar 300 gramas. Ou seja, entre Londres e Paris há 300 gramas e nem um quilo de 200

O senhor deputado Smith está perplexo porque tem duas opiniões bem fundamentadas, mas o que é verdade? Claro que centenas de cavalheiros aparecem respostas para todos e cada um dirá sua versão, mas… qual é a verdade? Você, que sabe que a distância não é medida em quilos, percebe que nenhuma é verdadeira, mas não se pode dizer que são falsas, porque se somarmos o que é engordado na jornada, isso poderia colocar em um paralelo. Resumindo, toda resposta não é verdadeira nem falsa, é simplesmente…, é absurda, é?

Dizer que algo não se encaixa na verdadeira dualidade – falso é algo que a cabeça, a razão, não pode aceitar. Mas você sabe que as distâncias não são medidas em quilos,

O problema NÃO está na resposta que é dada, o problema está na formulação da pergunta.

Toda vez que me perguntam “Você acredita em Deus?” sinto como se o Sr. Smith me dissesse quantos quilos há de Londres para Paris?

Acreditar em algo eu tenho que definir isso no que eu digo para acreditar e para isso eu tenho que usar o plano racional. Mas Deus não é um conceito e, portanto, não posso amarrá-lo em uma ideia, projeção ou definição mental

Como este sulfeto para a mente humana racional, que é tão teimoso quanto o Sr. Smith, há teorias, filosofias, explicações e religiões que vêm dar uma resposta para o que você acredita em Deus? no mesmo estilo que o Sr. Respostas-para-Tudo deu ao Sr. Smith

Se o Sr. Respostas a Todos tivesse feito essa construção mental para determinar o peso da jornada para ganhar o prêmio de um milhão de libras, agora filosofia e crenças fazem a montagem para que possamos preencher o vazio que produz não ser capaz de responder mentalmente à questão transcendental de se Deus existe.

Em suma, repito, o problema não está na resposta, mas na pergunta.

Se para o Sr. Smith tudo pudesse ser contado em gramas para o homem do nosso tempo e cultura tudo pode ser explicado pela razão. Daí a incapacidade de responder se existe ou acredita em Deus,

Como diz o Tao-Te – Rei que sobre “O Tao que pode ser expresso não é o verdadeiro Tao”, ele está nos dizendo que, que não podemos definir racionalmente Deus, em qualquer sentido.

Há uma história hindu que ilustra este tema (na forma de uma história que também está na seção de histórias)

Um dia Buda estava passeando pelos vales e montanhas de suas terras com seu discípulo, um homem veio e perguntou:

– Mestre… existe Deus?-

Buda olhou-o profundamente em seus olhos, esperou alguns segundos, e respondeu: “Não, Deus não existe”–

Buda e seu discípulo seguiram seu caminho e logo outro homem se aproximou deles e perguntou

– Mestre… existe Deus?

Buda olhou-o profundamente em seus olhos, esperou alguns segundos, e respondeu: “Sim, Deus existe”—

O discípulo, ouvindo essa resposta estava muito confuso (eu também estaria no lugar dele) pois ele tinha dado uma resposta agora que contradizia a anterior e que não era normal nele, mas a noite ainda não tinha chegado que era hora de fazer as perguntas.

Não demorou muito quando outro homem se aproximou que fez a mesma pergunta, mas de uma maneira diferente. Este novo homem disse a ele,

– Mestre, algumas pessoas acreditam em Deus, outras não acreditam em Deus e eu não sei o que pensar, vim pedir ajuda.-

O discípulo estava muito interessado, em pouco tempo ele tinha ouvido duas respostas totalmente contrárias e agora ele pensou que iria desfazer a “gravata”

Buda olhou nos olhos do homem, mas permaneceu em silêncio. Era um belo pôr do sol e o riacho com o canto da água iluminava a tarde. Os pássaros pareciam dizer adeus ao dia com seus cantos verpertinas. Buda foi em direção a uma das rochas na beira do rio, silenciosamente, o homem fez o mesmo. Eles não se olhavam, não falavam, só contemplavam o belo carimbo do campo que lhes dava o pôr do sol naquele vale. Silenciosamente, ambos estavam sentados como se meditassem sobre o milagre da vida,

Finalmente o homem se levantou, se ajoelhou diante de Buda e disse: “Obrigado, obrigado, obrigado, sempre serei grato por me dar a resposta” e o homem saiu feliz, muito feliz do lugar

O discípulo fez uma bagunça, Buda não lhe disse nada e o homem saiu completamente satisfeito e dizendo que tinha recebido a resposta. Finalmente, quando chegou a hora de perguntar, o discípulo disse

Mestre, vou enlouquecer. Um homem é dito que Deus não existe, outro é dito que Deus existe, e outro não é dito nada e fica tão feliz em dizer que lhe deu a resposta. Tudo isso… não é lógico! Qual é a resposta certa?

– E então, com a ternura de um professor para seu aluno, ele responde:

O primeiro homem era um teísta, ele tinha formado uma ideia de Deus e ele queria que eu corroborasse isso. Eu queria ser capaz de dizer “até Buda me deu razão” para que seu ego se sentisse cheio fazendo de Deus um objeto mental. É por isso que eu lhe dei essa resposta contrária que perturba sua crença porque acreditar não saber

– O segundo homem era ateu, não acreditava em Deus e queria que eu lhe desse razão. Ele veio com uma resposta e queria dizer-lhe sua descrença. Não há contradição com a mensagem anterior, em ambos eu queria tirá-los de sua crença mental dando a posição oposta, pois eu já disse que a crença não é sabedoria-

– O terceiro homem veio sem julgamentos formados, ele era um buscador. Os outros não procuraram, queriam reafirmar sua verdade mental. Mas o terceiro homem estava fora de sua mente, para que ele pudesse contemplar e quando ele sentiu em sua meditação a vida então se conectou com a Essência Divina, de um ponto sem razão. Em sua consciência ele conhecia Deus, em silêncio há Deus, não em palavras, nem na mente, nem na definição, não é pensamento, não em nada que possa ser ou ser, não em dualidade, não em uma crença mental.

Ele entra em silêncio para conhecer Deus, mas precisamente porque você está em silêncio você não pode defini-lo

Saia da sua mente e contemplo. Isso está sendo esclarecido

Fim da história

Em suma, se tivermos de dizer ao senhor deputado Smith que a pergunta é errada e que a pergunta correta é quantos quilômetros existem de Londres a Paris? para a questão de se você acredita em Deus ou se Deus deve ser mudado para outro, mas qual deles?

Se cada pergunta é um produto da mente como podemos definir algo não mental?

Pois por algo além da razão e que para defini-lo de alguma forma chamaremos de “a consciência superior”,

Ao fazer uma tradução entre o plano da consciência (não mental) e a razão pela qual todos vemos como mais próximo, a pergunta a ser feita seria uma simples “você sente Deus? Você contempla Deus?”,

É claro que “sentir Deus” não é apenas fazer isso na paz da natureza, Madre Teresa de Calculta sentiu Deus nos leprosos que ela curou, ou seja, esse “sentimento” não é limitado por nada material.

Desta forma temos que se você “sentir Deus”, Deus existe e se você não “sentir Deus” então Deus não existe. Então, para dar uma referência mental de que gostamos de Deus existe e não existe ao mesmo tempo

Não é uma questão de acreditar (racional) mas de sentir (do seu ser autêntico) O iluminado, o místico é aquele que acredita. Mas a maioria prefere ver Deus como algo externamente definido de propriedades e qualidades que alimenta a razão humana pela simples razão que é muito mais fácil. Smith entendeu tudo em gramas, o homem moderno quer ver tudo da razão,

Quando definimos Deus com qualidades se as afirmamos ou as negamos, estamos confortáveis, mas esse não é o verdadeiro Deus, pois o caminho não é razão.

Quando a contemplação vibra em vez da crença de Deus, todos os caminhos da iniciação estão vazios e cada objetivo é uma decepção porque você já é tudo sem perseguir nada. Restam apenas as palavras de Santo Agostinho de “Amar e fazer o que quiser”, pois então você “contempla” Deus.

Que a Força esteja com você,

JP