O que é vampirismo energético e como lidar com ele.

0
4

Vamos falar sobre o vampirismo energético, você conhece alguém que rouba sua vitalidade, sua alegria, seus sonhos?

Os vampiros existem (e vivem entre nós), mas não necessariamente da forma como nos foi transmitida pela fantasia durante séculos. Eles podem não se alimentar necessariamente de sangue, mas da energia de outros. Este fenômeno já foi classificado como “vampirismo energético”.

É verdade que existem algumasdoenças semelhantes ao conceito clássico de vampiro, como a “síndrome de Renfield”, a hemofilia, etc., mas essas são doenças que não têm nada demisterioso ou imaginativo sobre elas. Aqui, em vez disso, vamos lidar com ovampirismo energético.

Não se pode dizer ao certo se osvampiros energéticos nascem com esse “presente”, dando ao fenômeno uma origem hereditária, que vem de pai para filho, ou se o adquirem essa capacidade desugar energia alheia após eventos psicológicos traumáticos, mas certamente elessão muitos e sua porcentagem parece aumentar em contextos de mal-estar social .

vampirismo energético

Certamente muitos já ouviram falar de “Aura”, isto é, uma espécie de auréola energética que envolve o corpo físico das pessoas: uma teoria que agora se tornou cientificamente comprovada. Sob certas condições, ou através de meios técnicos, como o método Kirlian, é possível identificar essa essência energética, detectando também os diferentes tons de cor que indicam o estado psicofísico do sujeito. Também existem pessoas sensíveis que podem ler a aura humana.

A teoria do vampirismo energético deve, portanto, fazer uso da aceitação do conceito de Aura. Supondo que cada pessoa viva sua existência diária com essa “capa” energética, metafisicamente conectada ao seu corpo físico, o que acontece quando dois indivíduos estão tão próximos (a menos de 50 cm) que permitem que suas respectivas auras se toquem e interajam?

Alguns estudiosos argumentam queeste é o momento exato em que o “conhecimento mútuo” ocorre: as duas energiasse estudam e se fundem, determinando o grau de afinidade mútua. Vemos essefenômeno como uma espécie de reação química espontânea, e não como umacomunicação em nível intelectual, de troca de ideias ou pensamentos.

Nesse ponto, talvez comecemos aentender por que algumas pessoas são desagradáveis para nós de cara, enquantooutras sentem um interesse instantâneo, um “amor à primeira vista”, umasimpatia, ou mesmo uma “química”.

A própria tradição popular –coincidentemente – fala de “almas gêmeas” e não de “corpos gêmeos”. Oconhecimento, a afinidade ou a repulsa entre os seres humanos poderiam,portanto, ser determinados não apenas no plano físico, mas também, e talvezacima de tudo, no plano astral ou etérico. Quem nunca disse ou pensou em frasescomo: “algo me disse para ter cuidado com ele…” ou “Gostei desde o primeiromomento de você… “

Mas o que tudo isso tem a ver com vampiros? Então, vamos tentar permanecer em um nível de reações químicas e físicas sem ainda entrar no reino espiritual. Portanto, continuamos a falar de energias, e não de “alma” ou “entidades espirituais”, e propomos que existam indivíduos que desenvolveram uma capacidade inconsciente de se alimentar da energia alheia. Pessoas cuja aura adquiriu sua própria consciência magnética predatória, que tende a atrair o positivo ou o negativo de outras pessoas na forma de energia. Às vezes mesmo a distâncias superiores a 50 cm e, portanto, sem necessariamente manter contato.

Exemplos de vampirismo energético

Vamos dar 3 exemplos de vampirismo energético:

Caso A: participamos de uma conferência ou aula e, embora ela lide com um tópico de nosso interesse, nos sentimos exaustos a ponto de manifestar um estado de sonolência. Olhando em volta, vemos que quase todos os presentes apresentam os mesmos sintomas, exceto um: o palestrante. De fato, ele parece revigorado a cada bocejo dos espectadores e se alguém não interferir (mostrando discretamente o relógio…), ele vai poder continuar sem se cansar, enquanto todos em volta ficam exaustos.

Caso B: Toda vez que encontramos a pessoa “X”, temos uma sensação de ansiedade e fraqueza emocional. Todo mundo nos conhece como pessoas vivas e comunicativas, mas com essa presença tendemos a ficar em silêncio e a perder a segurança, como se estivéssemos desconfortáveis. Frequentemente, essas sensações permanecem por horas, se não por dias. Isso enquanto a pessoa “X” está bem e, aliás, não vê a hora de nos ver novamente!

Caso C: fenômeno inverso. É um período sombrio para nós, onde pensamentos, preocupações e tensões nos esgotam. No entanto, ao encontrar a pessoa “Y”, conseguimos nos distanciar, experimentando momentos de recuperação espetacular; rimos de novo, nos sentimos bem com os outros e com nós mesmos. Em suma, uma sensação de recarga.

Nos casos descritos, opalestrante e a pessoa “X” podem ser nossos possíveis “vampiros de energia”,enquanto “Y” é um possível “distribuidor” (ou seja, aqueles que têm excesso deenergia e emitem essa energia em favor dos outros). Mas tenha cuidado: senotarmos que “Y” está amolecendo com o progresso de nossa recarga energética,poderíamos ser nós vampiros! Então aqui podemos perceber que o vampiroenergético é: um sujeito capaz de atacar a esfera energética de outros a seufavor. E, como a aura está conectada ao corpo físico, esse “roubo” é percebidotanto emocional quanto fisicamente.

Depressão e doenças podem surgir a partir do vampirismos energético e que a tradição popular sempre classificou como feitiço, mau-olhado, etc. Os rituais de maldição praticados por certas bruxas de hoje em dia podem ser métodos para controlar e manipular uma vítima inconsciente, também tirando dela uma quantidade de energia.

E o mesmo vale para espíritos que fazem isso no plano astral, com a vantagem de estarem invisíveis. Mas o vampirismo espiritual não é exclusividade de desencarnados, afinal também nós encarnados somos espíritos.

Vampirismo energético e simbologia

A arte simbolicamente sempre mostra o vampiro atacando sua presa no pescoço, o que é explicado pela presença da veia jugular. Mas se continuarmos estudando, descobrimos que para tudo existe um sentido. Podemos observar que no pescoço, no nível da garganta, existe o “quinto chakra”, que é o ponto energético da comunicação verbal. E também da comunicação metafísica: a conexão do ser físico com o ser espiritual (energético). É através dessa conexão que entramos em união com a energia universal; e é por meio desta união que nossa liberdade e autonomia de pensamento se traduzem em conceitos compreensíveis para os outros.

“Atacar o pescoço” é, portanto,uma metáfora que indica explorar a energia vital de outro indivíduo, tornando-ofraco e sem vida, sem energia.

Por isso temos que estar muito atentos com quem nos relacionamos, tanto neste plano como em nossas interações com presenças espirituais.

Vampirismo Energético como evitar

Dá para evitar o vampirismo energético ?

Sim, mas não é fácil, pois o vampirismo energético vem de todos os lados, de encarnados e desencarnados e as vezes de quem você nem desconfia.

Por tanto é necessário sempre se manter em equilíbrio, harmonizada, positiva, segura e confiante.

A inveja, maledicência, raiva, medo, atrai e e mantem por perto os sugadores da sua energia.

A melhor forma para se blindar é manter sua energia e poder pessoal em alta, afastar ou mesmo evitar lugares e pessoas que te deixam para baixo, desanimadas, sem força, pois esses são sinais claros que estão te roubando energia.

Banhos de ervas, orações, práticas espirituais, atividade física, amuletos, patuás são muito usados para proteção e restabelecimento da energia.

Gostou do artigo Vampirismo energético? Comente aqui e compartilhe em suas redes sociais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui