Paralisia do Sono e a lenda da Pisadeira

0
1

PARALISIA DO SONO

Em defesa do patrimônio dos povos indígenas — por Yaguarê Yamã Aripunãguá

PISADEIRA ou PÓKWARA

Alguns dizem que é lenda urbana, outros que essa história se originou na floresta, entre os povos indígenas. Urbana ou não, trata-se da paralisia do sono.
O momento que a pessoa está dormindo e subitamente sente vontade em acordar mas não pode. O pior dos pesadelos.

Na cosmologia do povo indígena Maraguá do Amazonas, dentro da religião Urutopiãg, pertence ao grupo das visage ou mira’ãga.
Um fantasma altamente nocivo, que aparece no sono das pessoas.

A Pókwara vai mais longe. Não é apenas a paralisia, é o mau em pessoa. Uma das três formas da manifestação de Anhãga o Deus do mau. Segundo a Urutópiag é uma mulher que tem as mãos furadas, daí o nome “mão emburacada” que escolhe um canto de casa antiga para se manifestar pras pessoas enquanto dormem. Ela aparece durante o sono e fala: indé ki keriguara si angatu katu maari si angamarã ere manó. Em seguida põe a mão em cima do nariz do dormente.
Se o nariz passar do buraco ele se salva mas se não passar, morre asfixiado aos gritos.

O texto acima trata de uma lenda que é relacionada a paralisia do sono, algo que perturba o descanso de muitos seres humanos, alguns acreditam e obtiveram a “cura” aliando autoconhecimento com terapias de alopatia e homeopatia, independente da busca que fará, o importante é lembrar que a cura está em nós e o Universo nos proporciona na medida certa ferramentas que nos auxiliam neste processo.

O acompanhamento com Neurologista é indicado em casos severos de paralisia do sono, porém terapias holíticas estão sendo bem aceitas e com grandes avanços diante da evolução do quadro.

A melhor busca sempre será a paz!

https://www.facebook.com/ceulagravatai/

Artigo anteriorReconhecendo as filhas de Iemanjá
Próximo artigoA sabedoria ancestral do Xamanismo
Aline Ferrão é Espiritualista sacerdote de Umbanda, dirigente do C.E.U Luzes de Aruanda em Gravataí/RS iniciada na cultura de Matriz Africana a qual representa como Yalorixá respeitando as práticas Ancestrais através dos Orixás. Domina a leitura de oráculos como Búzios e Baralho Cigano, direcionando as terapêuticas com o auxílio destas ferramentas. Conhecedora das Ervas e sua utilização no bem-estar de cada ser, assim como estudou e pratica as Técnicas de Reiki Usui, Reiki Xamânico juntamente com Apometria Cristica e Floral de Bach. Facilitadora nas terapias envolvendo a cura da Alma, com a utilização da Medicina Sagrada Ayahuasca. Médium ativa desde a infância, tem como propósito direcionar o seu trabalho dentro da espiritualidade expandindo seu conhecimento para o acolhimento de quem sentir o chamado espiritual. Em sua formação social é graduada em Pedagogia, tendo como sua área de interesse o desenvolvimento Humano.