O USO DAS VELAS E SEU SIGNIFICADO SAGRADO

0
26

Qual o motivo do uso das velas? Simbolicamente, acender uma vela é representar a transmutação de nossas orações ou intenções através de sua chama.
As velas são símbolos de iluminação e transformação. representa o elemento fogo, que nelas se acende e representa o mundo espiritual e um canal de comunicação com o Sagrado.
É uma forma de enviar nossa intenção para outro plano, através da fé, a iluminação, a transmutação da energia. É por isso que acendemos velas em rituais, em orações, em atos magísticos. A vela acesa simboliza luz da alma e a vida espiritual. Não é à toa estarem presentes em cerimônias, rituais, práticas espirituais de ordens, seitas, igrejas e templos de diversos segmentos religiosos e filosóficos.
Devotos, místicos, religiosos e espiritualistas, utilizam a vela como uma forma de consagração e ligação com a Luz do Amor Divino.
Conforme a igreja ou a religião, a vela acesa pode ser dedicada a um Santo, Mestre, Anjo da Guarda, Guia Espiritual ou, simplesmente, à Luz e à Força Criadora. De acordo, com a intenção e a devoção pode-se escolher um determinado tipo de vela, levando em conta tamanho, cor da parafina, quantidade e formato, e assim o acender uma vela especifica, terá seu respectivo significado e finalidade. Com absoluta certeza, um dos símbolos mais representativos da Umbanda. Pois quando acendemos uma vela para nossos Orixás ou Guias ou Anjo da Guarda, emanamos por até 24 horas sua cor em nossa alma e isso influencia na forma que o plano astral entende nossos pedidos.
A vela está presente no Gongá, nos Pontos Riscados, nas oferendas e em quase todos os trabalhos de magia. A vela desperta nas pessoas que acreditam em sua força mágica, uma forte sensação de poder. Ela funciona como uma alavanca psíquica, despertando os poderes extra-sensoriais que estão em estado latente. Muitos umbandistas acendem velas para seus Guias de forma automática, num ritual mecânico, sem nenhuma concentração. É preciso muita concentração e respeito ao acender uma vela, pois a energia emitida pela mente do médium vai somar-se a energia do fogo e, juntas, irão vibrar no cosmo.
Se uma pessoa invoca suas forças mentais, com a ajuda da magia das velas, no sentido de ajudar alguém, irá receber em troca uma energia positiva; mas, se inverter o fluxo das energias psíquicas, utilizando-as para prejudicar qualquer pessoa, o retorno será infalível e as energias de retorno serão sempre mais fortes, pois voltam acrescidas da energia de quem as recebeu. Ao acender velas para as almas, para o anjo-da-guarda, para os pretos-velhos, caboclos, para a firmeza de pontos, Gongá, para um santo de sua preferência ou como oferenda aos Orixás, é importante que o umbandista saiba que a vela é muito mais para quem acende do que para quem está sendo acesa.
Não é conveniente, ao encontrar uma vela acesa no portão do cemitério, nas encruzilhadas, embaixo de uma árvore, ao lado de uma oferenda, apagá-la por brincadeira ou por outra razão. Devemos respeitar a fé das pessoas. Quem assim o fizer, deve ter em mente que poderá acarretar sérios problemas (desequilíbrio), de ordem espiritual, com esta atitude.
Foi criada uma ciência para estudar as velas, chama-se Ceromancia é uma forma de oráculo, pela qual a pessoa interpreta a “resposta” vinda do mundo espiritual, através da “leitura” da chama e da cera da vela.
A palavra que denomina esse oráculo, deriva da junção de cero (cera) e mancia (revelação).
Ao acender uma vela é necessário observá-la, em cada detalhe, para fazer a interpretação desse oráculo.
A vela simboliza o ser humano: corpo (vela), consciência (pavio) e espírito (chama).
Para consultar esse oráculo é necessário procurar um local calmo e silencioso e acender uma vela branca.
A pessoa relaxada e de olhos fechados, mentalizará o seu pedido e intenção ao acender a vela.
Em seguida, abrirá os olhos para analisar a chama e a queima da vela, para saber qual orientação terá, com relação, ao seu pedido.

O Significado da Chama das Velas

Acender uma vela, para lhe fazer um pedido, uma oração ou, simplesmente, como ato de devoção ou gratidão é uma prática muito comum, mesmo em pessoas que não frequentam Templos Religiosos.
Através da Ceromancia (Leitura da Vela), pode-se interpretar a orientação e resposta do Divino, ao pedido ou oração feito pela pessoa que acendeu a vela.
A interpretação do significado será, de acordo, com o aspecto da chama e outras características da vela.

Significados das chamas das velas acesas.

  • Chama azulada: é um sinal positivo de força espiritual e avisa para manter a fé e ter paciência, pois, os objetivos serão alcançados.
  • Chama amarelada: momentos de alegria e felicidade à vista.
  • Se a chama soltar pequenas fagulhas (faíscas de chama) no ar: é sinal de tensões, desapontamento ou dificuldades.
  • Chama em espiral: alerta para não expor sonhos e planos, antes de se concretizarem, para não haver interferência e influência alheia.
  • Chama que vacila: ocorrerão mudanças e transformações, para melhor.
  • A chama da vela não acende: ambiente carregado é necessário melhorar a energia da pessoa e do ambiente.
  • Ponta de pavio brilhante (Bola incandescente na ponta do pavio): sinal benéfico de bons acontecimentos e realizações bem sucedidas.
  • A chama queima a vela por inteiro: aviso que pedido e intenção foram enviados ao plano espiritual, com sucesso.
  • Quando a chama da vela, ao queimar, forma uma escada ao lado: é necessário saber esperar, pois, para alcançar a intenção, levará um tempo para sua cristalização.
  • Se a vela não queima toda a parafina: é sinal que existe interferência de forças negativas, aconselhável reacender a vela e insistir na intenção com fé.
  • Chama Vermelha: período favorável para pedido ser realizado e a intenção ser concretizada.
  • Chama Brilhante: sinal de que a oração ou pedido será em, brevemente, atendido.
  • Chama fraca: indica que a fé precisa ser mais forte, a intenção mais firme e o pedido reforçado.
  • Chama baixa: haverá demora para o pedido ser realizado.
  • Vela que entorta: necessidade de mais equilíbrio para não vir à enfrentar dificuldades.
  • Vela que demora para acender ou não acende: muita negatividade, dificultando de comunicação com o mundo superior e a conexão com o Anjo da Guarda e o Divino.
  • Chama que vacila: o pedido acontecerá, porém, com algumas mudanças.
  • Chama que levanta e abaixa: dispersão, a pessoa não tem foco e não se concentra em sua intenção, por estar com a mente confusa.
  • Pavio que se parte em dois: pedido feito, de forma indecisa e incerta.
  • A vela “chora” (a chama derrete a parafina, que fica em estado líquido ao redor do pavio): Dificuldade de realização do pedido.
  • A chama não queima todo o pavio e sobra parafina: necessidade de se voltar mais à espiritualidade e a se concentrar na oração.
  • A chama do pavio apaga, antes de derreter toda a vela: além de orar e se voltar para o superior, a pessoa precisa, também, fazer a parte dela, para que sua intenção se realize.

Significado da Vela pelo sua Forma

Todo mundo já deve ter perguntado : Porque tem vela pequena, vela gorda, vela palito, vela de 7 dias, vela isso, vela aquilo, vela decorada, perfumada, vela roxa, verde, etc… ? Com toda certeza isto confunde mesmo muita gente. Velas perfumadas e decoradas são usadas para harmonização de ambiente, para cultos e adoração de deuses, para banhos e meditações. Sobre os tamanhos e cores: velas liberam energias, ou repelem energias. Quanto maior, maior a força, mais tempo ela terá força. Bem simples. Podemos usar uma vela decorada, rosa, perfumada. Se o ritual pede ou permite qualquer tipo de vela ou só exige que seja, por exemplo: preta, rosa. É só parar para pensar e analisar um pouco. Tem sentido, tem coerência?
A forma da vela corresponderá à finalidade da ação mística, seja oração, celebração, ato de gratidão ou pedido para o Divino ou seus Representantes.
O formato da vela pode ser associado à determinados propósitos, intenção e devoção:

  • Triangulares: equilíbrio
  • Estrela: espiritualidade
  • Pirâmide: realização
  • Cilíndrica: Conexão é o formato da vela convencional.
  • Anjos: Anjo da Guarda
  • Animais: Animal protetor (Xamanismo)
  • Lua: Sensibilidade/ Emoção
  • Gnomo: Elemental da terra
  • Cone: Ascensão
  • Quadrada: União dos quatro elementos: Terra, Água, Fogo, Ar / Estabilidade Significado das Cores das Velas

A cor da vela, assim como a forma, pode reforçar a intenção associando a cor aos propósitos da oração e pedido ao Divino. A cor definirá, ajudará a atrair ou banir a energia que deseja. Cada cor tem uma intenção e uma vibração e é necessário concentrar-se em seu pedido.
Algumas observações sobre as velas em geral e significado das cores :

Vela Preta : Mistério, esta cor é associada ao oculto e ao contato com o inconsciente. A cor preta é como uma esponja, ela suga. Ela pode absorver energias ou ainda repelir – tanto positividade quanto negatividade. Deve ser usada com consciência e direcionamento, como todas as outras velas.


Vela Lilás ou Violeta: Espiritualidade e ligação com as dimensões superiores. Mistura dos dois extremos quente e frio, o roxo ou violeta é o ponto transmutador. É a cor ligada à espiritualidade, à tranquilidade e à mente. Transmuta energia negativa (ódio, raiva, ressentimento) e afasta inveja – dedicada a Orixá Nanã;


Vela Rosa: Amor, leveza, perdão, delicadeza e simplicidade. Protege contra doenças ligadas ao sexo e também a depressão. A vela de rosas (sim, feita com pétalas de rosas) também é rosa e possui as mesmas qualidades citadas, mais a atração e doçura das pétalas. É dedicada as Orixás Oyá e Obá.


Vela Amarela: É a cor da energia mental, transmite ânimo, alegria e realização. Força, movimento, ideias, comunicação. Traz ordem, raciocínio. Ligada à memória e relações sociais. A vela de mel é amarela, e ela possui as mesmas qualidades citadas mais o fator do mel, que traz a doçura. É indicada para boas intenções nos estudos e na vida intelectual, criatividade, dedicada a orixá Oxum.

Vela Laranja: É a cor do otimismo, da inteligência, do entusiasmo e do senso de humor. Energia, alegria, agradecimento, forças solares. Tem força incentivadora, move energias, move a criatividade e concede vigor. Usada pelos Orixás : Oxum e Obá, também pelo Povo Cigano.

Vela Branca: Simboliza a paz, a pureza, a inocência e a iluminação. A vela branca também é transmutadora, nos seguintes sentidos: paz, inspiração espiritual, harmonia. Fortalece a alma, a palavra verdadeira, as orações. Reforça a união. Purificadora. Atrai proteção espiritual, proteção da luz, da verdade. É dedicada a Oxalá.


Vela Vermelha: Energia, vigor e ação. Essa vela representa a paixão, o sexo, a sensualidade, o físico, o sangue, a beleza, a atração. Autoridade, perigo e instinto. Por representar o sangue, também representa o coração e todas as fortes emoções, como amor ou ódio. Devemos lembrar que também lembra o que há de mais primitivo no ser humano, como a violência, portanto, use sua energia com sabedoria e direcionamento. Utilizada em questões que necessitam urgência. Ao utilizá-la, é importante ter uma intenção clara e forte, já que ajuda também na realização rápida de sonhos. Não deve ser utilizada em questões relacionadas a saúde ou fragilidade física, dedicada a Orixá Ogum, Oyá e Exu.


Vela Verde: Natureza, esperança, cura e saúde. Boa para rejuvenescimento e revigoramento físico. Atrai responsabilidade, juízo, êxito. É também uma representação da natureza, da vegetação. Ajuda também em recuperações cirúrgicas – dedicada a Orixá Oxóssi e Ossain.


Vela Azul: É a cor da serenidade, ligação com o celestial, relacionada à paz e harmonia e a espiritualidade. A cor do mistério, da tranquilidade, da interiorização, da proteção. Ótimo contra o medo e para a aquietação de ambientes. atrai proteção, altruísmo, tranquilidade e reforça a espiritualidade. Também auxilia em questões relacionadas ao trabalho, abrir caminhos no campo profissional, quando Azul clara é dedicada a Orixá Iemanjá, quando Azul Royal trás mais energia de vigor é dedicada a Ogum.


Vela Marrom: Concentração e ligação com a terra, a Estabilidade. O marrom representa a terra, a fertilidade, os minérios e suas riquezas e solidez. Muito usada em rituais para a natureza, para a mãe terra. É dedicada a Orixá Xangô.


Vela cinza: muitíssimo pouco utilizada, a vela cinza não é nem preta nem branca, representa a velhice e o passado.
Vela Dourada: Representa o Sol e todas as suas qualidades, como ação e masculinidade.
Vela Prateada: Representa a Lua e todas as suas qualidades, como intuição e feminilidade.

Porque Acender Vela de 7 dias? ( visão Umbandista )

Na Umbanda, o uso de velas representa a ligação com o mundo espiritual e a comunicação com os orixás. O propósito de acender uma vela de 7 dias (número associado à espiritualidade), simboliza o fortalecimento da conexão espiritual, mantendo acesa a chama, de forma mais duradoura, intensificando a intenção, a devoção e a busca de proteção espiritual. Na Umbanda alguns médiuns ficam em dúvida sobre se a vela de sete dias tem a mesma eficiência de sete velas normais. Sabemos, de acordo com a Psicologia, que um comportamento pode ser modificado através do reforço. No fato de se acender uma vela, isoladamente, não há nenhum tipo de reforço que se baseie na repetição. Assim, ao acender uma vela durante sete dias, as pessoas são reforçadas diariamente em sua fé, e, repetindo os pedidos, dentro desse ritual de magia, ficam realmente com maiores probabilidades de despertar a própria mente e alcançar os seus propósitos. Na prática, constatamos que dificilmente uma vela de sete dias queima durante todo esse tempo.

Recomendações

Algumas recomendações para a prática mística e espiritual de acender velas.
Quando terminar a vela dedicada ao pedido, acenda outra em agradecimento ao Anjo da Guarda ou ao Divino.
Por se tratar de um símbolo espiritual, segue alguns cuidados para manter a pureza, harmonia, mística e elevação da prática ou ritual.
Acenda as velas com fósforos e não com isqueiros.
Acenda as velas em lugar acima da altura da tua cabeça.
Não vire a vela, depois de acesa, coloque um fósforo aceso embaixo dela, para derreter o suficiente para grudá-la no apoio ou castiçal.
Não assopre a vela para apagar, apague sempre com um apagador.
Locais para acender as velas: Acenda a vela em locais sagrados e seguros, nunca sobre ou sob móveis de madeira ou de fácil combustão. Não acenda velas em casa, acima de geladeira, pia, em banheiros, áreas de serviço, prateleiras perto de cortinas.

Não recomendamos, o uso de velas feitas com os restos de outras velas, pois estão impregnados das energias mentais de quem as acendeu. Aproveitar esses restos é o mesmo que querer aproveitar os restos dessas energias; como não sabemos com qual intenção as velas foram acesas, pois haverá fatalmente um choque entre diversas energias.
Ascender uma vela não é só riscar um palito de fósforos. Vamos exemplificar : uma vela preta não é um bicho de sete cabeças, não vai “chamar espíritos nem o demônio” para a sua casa, nem nada dessas besteiras. A vela atrai ou expulsa o que você direciona. Mesmo sem direcionamento, sem intenção nenhuma, acender por acender uma vela preta vai resultar em… porcaria nenhuma. Simplesmente, uma vela acesa é só uma vela acesa. Ela não faz nada sozinha, ou seja, sem encantamentos, sem suas palavras e intenções. Por muitas vezes já recomendamos, não acender vela em casa. Pois se este ato místico vai ancorar alguma energia, que poderá agir negativamente em sua casa. Pois vamos lembrar o que aprendemos. Sendo a vela um veículo de comunicação com o Sagrado, pode atrair aqueles que estão errantes em busca de um contato com o divino ou alimenta-se da energia desprendida. Também não deve acender porque pode acusar um incêndio. Devemos estar atentos aos excessos, escassez e falta de direcionamento
Uma energia usada em excesso pode se transformar em outra coisa, basta usar a lógica.
Dialogando sobre excesso, por exemplo uma vela laranja: Em excesso pode não apenas deixar alguém cheio e energia, mas inquieto demais, um chato falante que não para. Outro exemplo, a vela azul: uma pessoa achou que seria bom energizar com vela azul para tranquilizar alguém muito agitado e estressado. A recomendação dada foi uma vela. A pessoa usou 3, para garantir que a pessoa ficaria tranquila. A quantidade exagerada de energia não apenas deixará a pessoa tranquila, mas poderá deixar melancólica, sem força, querendo ficar só.
Sobre escassez, tomamos novamente a vela de cor preta: digamos que um ritual pede duas velas, mas por preguiça ou por economia, não arrumei duas velas e usei uma só mesmo. O ritual era para banir. Com apenas uma vela, ao invés de duas, como foi pedido, não terei força o suficiente para banir, logo farei um serviço meia boca, isso se der em alguma coisa. Outro exemplo, agora com a vela rosa: imagine um feitiço de atração. Aí o ritual pede uma vela rosa de 7 dias, achando a vela cara, compra uma palito mesmo, ou uma vela com gramatura que não dura 7 dias mesmo. Acaba não atraindo o objetivo. Um tremendo desperdício.
Sobre falta de direcionamento: resolveu fazer um ritual com a vela vermelha para o amor. O que há de errado nisso? Nada, pois rituais de amor levam vela vermelha. Mas… aí no meio do ritual, na hora de acender a vela e mover a energia, não especificou o que eu queria. Fez tudo errado. Pois é, essa é a palavra. Não especificando, não determinando nada, a vela libera todo tipo de energia que possui e não sabemos a intensidade ou a energia que vai agir. Podem agir várias, como amor e violência ao mesmo tempo. Imagine o caos. Ao invés de atrair um amor, chamaremos uma pessoa obcecada, ou uma pessoa que nos ame, mas com ciúme doentio.
Existem sim. Muitas e muitas pessoas usam as velas todos os dias para orar, fazer pedidos, atrair boas energia ou afastar energias negativas, para fortalecer algo e até mesmo para tentar “adivinhar” o futuro, ver além do véu através do comportamento da chama e da cera da vela, isso é Ceromancia.
Para finalizar, mais uma vez eu repito: basta pensar, analisar o caso, estudar, escolham a vela que mais tem a ver com o caso, especifiquem o desejo, nada de excesso ou escassez, se vai seguir um rito, siga à risca ou tenha consciência dos riscos.


Velas Quebradas ou Usadas
Nos trabalhos de Umbanda existe uma grande preocupação com o uso de velas virgens ou que não estejam quebradas. Não se trata de superstição, Pois a vela virgem estava isenta da magnetização de uma vela usada anteriormente, evitando assim um choque de energias, que geralmente anula o efeito do que se almeja. No caso da vela quebrada além do componente psicológico, pois a pessoa acredita que um trabalho perfeito precisa de instrumentos perfeitos. Analisando o descrito anteriormente estaríamos usando um instrumento falho, pois o ato de quebrar a vela, magisticamente simboliza quebrar as energias ou forças.

As velas Vivas

Devemos ter em mente a importância que rituais e simbologias podem agregar ou expressar os sentimentos de uma pessoa, mas se tornam nulos, se a atitude, a energia, a humanidade e espiritualidade dessa pessoa, não antecederam a prática mística. Para simplificar, não adianta pedir paz, se a pessoa vive em conflito com ela mesma e com todo mundo. Para ter paz, se faz necessário cultivar a paz, começando por si próprio(a).
Canalizar nossa intenção a uma Fonte Divina é importante para adquirir força, e alcançar a paz, no caso do exemplo citado, mas antes há que se ter a relação com a vontade de praticar e viver o que promove a paz interior.
Toda prática mística é uma extensão da expressão da pessoa. Isto quer dizer que antes de acender uma vela, precisamos estar atentos à elevação e manutenção da força que desprendemos, podemos dizer que é chama espiritual. A fagulha do Divino que habita em nós.
A vela ilumina quem a acende, simbolicamente, isto significa que, quem irradia a chama espiritual, é iluminado pela Luz Divina. Nossa pratica evolutiva é a busca por despertar espiritual, e para isso em vez de acender uma vela, deverá acender sua chama interior e tornar-se um ser iluminado. Pois devemos criar a consciência de que as Velas não fazem nada sozinhas: Não adianta acender mil velas se não coordenar a energia delas, se não mover, puxar a energia. Acender uma vela sem intenção, sem recitar um encantamento, sem meditar, sem nada, a vela acesa será SOMENTE UMA VELA ACESA, linda e bela.

Que nós sejamos velas vivas e que nossa chama aumente, cada vez mais…

Saravá, Axé, Namastê!

https://www.facebook.com/ceulagravatai/

Artigo anteriorMãe D’Água, Rainha das Ondas, Sereia do Mar…Iemanjá
Próximo artigoO Despertar da Luz
Aline Ferrão é Espiritualista sacerdote de Umbanda, dirigente do C.E.U Luzes de Aruanda em Gravataí/RS iniciada na cultura de Matriz Africana a qual representa como Yalorixá respeitando as práticas Ancestrais através dos Orixás. Domina a leitura de oráculos como Búzios e Baralho Cigano, direcionando as terapêuticas com o auxílio destas ferramentas. Conhecedora das Ervas e sua utilização no bem-estar de cada ser, assim como estudou e pratica as Técnicas de Reiki Usui, Reiki Xamânico juntamente com Apometria Cristica e Floral de Bach. Facilitadora nas terapias envolvendo a cura da Alma, com a utilização da Medicina Sagrada Ayahuasca. Médium ativa desde a infância, tem como propósito direcionar o seu trabalho dentro da espiritualidade expandindo seu conhecimento para o acolhimento de quem sentir o chamado espiritual. Em sua formação social é graduada em Pedagogia, tendo como sua área de interesse o desenvolvimento Humano.